• Marina Dias

As lições de branding do Museu Mais Doce do Mundo

Atualizado: 27 de Jul de 2019



Conhecemos o Museu Mais Doce do Mundo pela publicidade nas mídias sociais. As fotos coloridas, muitas vezes com o título de o “museu mais instagramável do mundo” chamaram atenção logo de início. Então, viajamos de Ribeirão Preto a São Paulo para participar dessa experiência.


Assim que chegamos, um funcionário perguntou meu nome e se eu era de São Paulo. Como havia interagido com a marca nas redes sociais, o instrutor e o pessoal da bilheteria sabiam meu nome. Um diferencial e tanto! Os funcionários, não são executores de tarefa que escaneiam seu convite na fila ou orientam sobre a entrada no espaço. Pelo contrário, interagem com as pessoas o tempo todo. Fazem perguntas, dão risadas e ajudam a tirar fotos. 


Com o slogan “Diga sim à felicidade”, ao entrar pela porta principal, o cheiro de doce não passa despercebido. Recebemos informações sobre o aplicativo do museu.






"Para mim, o mais interessante no aplicativo é a playlist de músicas feitas no Spotify com temas relacionados à felicidade e doces. Muitas das canções em português, ou seja, uma comunicação estrategicamente pensada para o público brasileiro. Também somos incentivados a fazer postagens, interagir com a marca e com as salas temáticas, desde a piscina de marshmallow, a colher de brigadeiro e muito mais."



Foto de Gisele Conti


Foto de Gisele Conti





Ao final de algumas áreas de acesso, os patrocinadores disponibilizaram produtos gratuitamente. Tomamos sorvete, comemos brigadeiro, ganhamos bala de gelatina tubinho, etc. Por incrível que pareça, mesmo no período de férias, o lugar tinha muito mais adultos do que crianças.




Em uma das salas, é feito um click do seu momento naquela ambientação. A foto é enviada ao seu whattsapp e a empresa também pede para entrarmos no site naportadabauducco.com.br e “dar seu cookie para o biscoiteiro da semana”. Se houver um grande engajamento com a imagem nas redes sociais, você pode ser premiado pela Bauducco. Uma maneira engraçada e interativa de se comunicar com as pessoas.  Ah, segundo o museu, biscoiteiro é que mgosta de chamar atenção com frequência para ganhar likes e elogios.




No corredor de acesso à saída mais uma doce surpresa: as marcas disponibilizaram produtos como chiclete, refrigerante e muito mais ao público.


O Museu Mais Doce do Mundo aguça todos os sentidos (visão, audição, tato, olfato e paladar), tem autoridade de marca, trabalha com o propósito de fazer as pessoas felizes, interage, diverte e engaja, tem defensores da marca e te trata como um ser único que está vivendo uma experiência diferente.


As hastags #thesweetartmuseum e #omuseumaisdocedomundo somam juntas mais de 15 mil publicações. Dificilmente você verá nas imagens pessoas sérias ou de semblante fechado.  É praticamente impossível não sorrir ou não ter a sensação de felicidade. 


Uma ótima estratégia de comunicação e branding. Gostamos tanto que ainda aproveitamos para tirar fotos com a equipe do museu (esse é o César!)



Sobre a autora:

Marina Dias é publicitária com mais de 15 anos de experiência em comunicação corporativa e idealizadora da MADÍ Comunicação (www.madicomunicacao.com.br).




0 visualização

DESENVOLVIDO POR MADÍ COMUNICAÇÃO